segunda-feira, 26 de outubro de 2015

OS PASSOS DA NOITE




Observo os passos da noite
Na sua absorvente e longa caminhada
Que nos envolve e nos abraça
No seu inebriante sono
Tomando conta da nossa mente
Nos embriaga
No torpor dos seus sonhos
Indecifráveis.
Os seus passos cadenciados
Marcam o compasso
Do nosso adormecer.
Nas madrugadas incolores
Que abrem as portas semi-cerradas
Do nosso sobressaltado
Alvorecer.
Silêncio branco
Na noite escura de breu
Onde a mente se apaga
No tumultuoso sonho
Que a invade
Como um enorme manto de neve
Gelando todos os sentidos
Cristalizando as emoções.
A noite se despede
Com um brilho ofuscado
Na face enregelada
Do sonho que não sonhou
Do corpo que não dorme
Num compasso descompassado
Onde a noite acorda

Do silêncio dos seus passos.

Mário Margaride

4 comentários:

  1. São sempre audíveis, os "passos da noite"...à vezes mais, por vezes menos, mas estão sempre lá, noite à noite!.
    Belo poema, nas "palavras ao vento". Hei de voltar, Mário!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim é amiga Lúcia. É um prazer te-la aqui neste meu cantinho. Grato, pela visita e comentário. Será sempre um prazer a sua visita!

      Beijos

      Eliminar
  2. Respostas
    1. É verdade amiga Piedade. Assim é a noite...Grato, pela visita e comentário.

      Beijinhos!

      Eliminar