terça-feira, 15 de dezembro de 2015

O SONO




Quando as luzes se apagam
E a noite chega...
Tudo se desvanece na madrugada absorvente
Tragando no seu seio
O torpor do iminente stress
Que nos devora
Na rotina diária
Da nossa existência
O sono e o sonho...
Aparecem como drogas
Impedindo-nos de pensar
Pesadelo?
Ou não!
Anestesiando o nosso corpo
E o nosso pensamento
Qual heroína
Entrando nas veias
Devassando a nossa mente
Atirando-nos para um gueto
À margem de tudo que nos rodeia
Não durmam!
Não sonhem!
Não se desliguem da realidade
Pensem!
Lutem!
Contra o marasmo do existencialismo passivo
E sedentário
Esperando...
Que tudo aconteça
Absortos

Num sono profundo.

Mário Margaride



segunda-feira, 30 de novembro de 2015

ESTRELA DOS LÁBIOS DE MEL




No firmamento infinito
Tu és como uma estrela
E o teu brilho e cor
Se destacam de entre as demais
És minha, estrela de lábios de mel
Dona do universo
Dos meus infinitos sonhos.

Ó voz da minha canção ao entardecer
Minha estrela cintilante
Vou gritando ao vento
Que arrasta a minha voz
No crepúsculo da tarde.
.
Nas teias da minha música
Que teci de poesia
Te prendi, meu amor…
E nos meus olhos
Vestidos de esperança
Começa o mundo do sonho

Do meu firmamento infinito.

Mário Margaride


quarta-feira, 25 de novembro de 2015

GOSTO DE TI ASSIM



Gosto de ti assim
Desse teu lindo sorriso
Desse teu jeito travesso
Que te distingue das demais
Desse teu ar de menina
No teu corpo de mulher.

Gosto quando me olhas
Com esse teu olhar maroto
Que me fascina…
Das tuas mãos de veludo
Que me fazem estremecer
Quando me tocam...

Gosto de ti assim
Meiga, terna, doce…
Com que me enches a alma

E aqueces o coração.

Mário Margaride


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

QUANDO TE ENCONTREI

Quando te encontrei
Desenhaste os teus sinais

Ouvi dizer-te: Aqui estou!

Distingui-te entre as demais 

Como não sou peregrino

Desconhecia o caminho
Não conhecia o trajecto
Mas pressentia estar perto.

Então, surgiste do nada
Por entre as brumas, de uma fraga
E te encontrei no deserto.
Tinhas nas mãos…uma flor
Teu rosto, raio de luz
Como um espelho, que traduz
O reflexo do amor.

Quando nos encontramos
Não sei se houveram sinais
Somos profetas iguais
Por isso nos encontramos.

Mário Margaride 



sexta-feira, 13 de novembro de 2015

NO VENTRE DO TEU MAR SEM FIM




Gostava de te ter aqui
Sentada no colo do vento
Onde o barulho não se ouve
E a dor não se sente
Gostava de estar ai
No ventre do teu mar sem fim
Mergulhar nas tuas ondas
E deixar-me flutuar
Ao sabor da maré
Que me levará ao infinito do tempo
Do tempo que o tempo
Nunca poderá alcançar
Viajar através do sol
Que nasce no horizonte dos sonhos
No mar das ilusões
Onde as Sereias cantam
Canções de embalar
Onde adormeço
Num sono sem fim
                                            Onde um Cavalo alado
Me levará
Até ao jardim verdejante
Onde Unicórnios azuis
Galopam livremente
Em cavalgadas compassadas

Pelas planícies da esperança.

Mário Margaride


segunda-feira, 9 de novembro de 2015

JUNTA À PRAIA

Junto à praia
O nosso olhar se prolonga
No horizonte quase infindável
Deste mar imenso
De um azul esverdeado
Que nos atrai
Nos fascina
Nos tranquiliza.
O nosso olhar
Se perde
Neste gigantesco palco
Onde o horrendo e o belo
Convivem lado a lado
Numa dança sem fim.
Neste implacável
Mas sedutor cenário
O nosso olhar se delicia e sacia
Na imensidão
Agora calma
Deste poderoso, mar.

Mário Margaride 

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

NAVEGAREI NO MAR DOS TEUS OLHOS

Navegarei no mar dos teus olhos
Mergulharei na imensidão das tuas ondas
Nas profundezas do teu sentir…
Abraçarei o teu carinho
Repousarei nas margens do teu amor…
Mergulho nas ondas da tua ternura
Para me afundar por fim…

No mar imenso de ti…

Mário Margaride


quinta-feira, 29 de outubro de 2015

É NAS PALAVRAS



Neste mundo desvairado e complexo
É nas palavras…
Que traduzo os meus anseios
As minhas mágoas
As minhas inquietações.

Elas são o alimento
A essência, o equilíbrio
Que me sustentam e dão razão para existir
Sem elas…não sei o que faria!
São as minhas confidentes
Companheiras, amigas…

É com elas que grito!
Que sufoco, que rio, que choro…
Palavras mágicas, utópicas
De fantasia, de sonho…
Palavras quentes, serenas, revoltas!
Tranquilas…
Não sei ao certo
Se as amo…ou as detesto!
Mas não posso viver sem elas.



 Mário Margaride 


segunda-feira, 26 de outubro de 2015

OS PASSOS DA NOITE




Observo os passos da noite
Na sua absorvente e longa caminhada
Que nos envolve e nos abraça
No seu inebriante sono
Tomando conta da nossa mente
Nos embriaga
No torpor dos seus sonhos
Indecifráveis.
Os seus passos cadenciados
Marcam o compasso
Do nosso adormecer.
Nas madrugadas incolores
Que abrem as portas semi-cerradas
Do nosso sobressaltado
Alvorecer.
Silêncio branco
Na noite escura de breu
Onde a mente se apaga
No tumultuoso sonho
Que a invade
Como um enorme manto de neve
Gelando todos os sentidos
Cristalizando as emoções.
A noite se despede
Com um brilho ofuscado
Na face enregelada
Do sonho que não sonhou
Do corpo que não dorme
Num compasso descompassado
Onde a noite acorda

Do silêncio dos seus passos.

Mário Margaride

sábado, 24 de outubro de 2015



GRITOS SILENCIOSOS

Junto ao rio da indiferença
Onde mergulha a desilusão
Estava deitada a quimera
Ao pé da inquietação.

Junto ao vale do infortúnio
Sentada em pose de musa
Estava a tristeza, coitada!
Sozinha, muito confusa.

Ao lado, estava o lamento
Trazendo o amor que fenece
De olhos semi-cerrados
Pousando os braços cansados
Sobre os joelhos, em prece.

Por fim, lá estava a agonia
Com a alma a sangrar
Deitada sobre um manto
Sufocada em mudo pranto
Sem vontade de chorar…

Mário Margaride 

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

PÁGINAS DA VIDA



Ao olharmos para dentro de nós
Para as páginas que escrevemos
No livro das nossas vidas
Estão vivências multicolores
Ora mais cinzentas
Que nos gelam a alma
Ora de cores brilhantes
Como a Primavera em flor.

Páginas escritas
Com as cores do nosso sentir
Onde as palavras não se vêm
Mas se sente a sua força
A sua intensidade
Ao folhear cada página
Que dentro de nós gravamos.

Neste livro que escrevemos dia-a-dia
Nestas páginas carregadas de emoções
Gravados ficarão os sentimentos
Que transportamos bem juntinho…
Aos corações.



Mário Margaride


NO SILÊNCIO DA NOITE



No silêncio da noite
No cansaço que o meu corpo transporta
Deixo que o sono me absorva
E devore a minha mente
Absorta no torpor das emoções.
Nas horas alucinantes da noite escura
Onde o sono me engole lentamente
Abro a janela dos sonhos
Deixo a mente flutuar
No universo incontrolável
Do desejo sonhado
Onde quero voar
Me deliciar
No silêncio da noite.

Mário Margaride

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

ENTREGA


Quero dar-te, amor, a minha alma
O coração, o corpo, o que quiseres…
E ser, na inquietude, a tua calma
Fazer-te a mais feliz, entre as mulheres.

Entregar-me a ti, com tanto ardor
Neste sufoco, que transporto, e que sustento  
Paixão, que será, o mandamento
Que me fará amar-te sempre, meu amor…

Beijar-te meu amor, com carinho…
Abraçar-te, sentir, as tuas mãos
Deslizarem no meu corpo, de mansinho…

No teu calor, me envolver, em ânsia louca!
No torpor, me embalar, em emoção…
Mil beijos deixar, na tua boca!...

Mário Margaride 

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

PUDERA EU SER

Pudera eu ser mar, poderoso e forte
Que nada teme, na sua vastidão imensa!
Pudera eu ser pedra que não ri nem pensa
Pudera eu ser vento, ser o vento norte!

Pudera eu ser trovão, com o seu poderio
Ser luz, ser sol, que ilumina a alma!
Uma alta montanha, um imenso rio
Trazer no seu leito, o amor, a calma…

Pudera eu ser mundo, enorme, imenso…
Tufão, poderoso, que arrasa, intenso!
Ser água que lava, o ódio, a miséria…

Ser fogo que aquece, a alma, o coração
Ser luz que ilumina, o amor, a paixão
Ser por fim…juiz, com justiça…séria!

Mário Margaride

 

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

INTENSO AMAR






Talvez nunca consiga entender
O que tens para me dizer
Quando te refugias nos teus silêncios
E nada me respondes
No entanto…
Sinto o teu sentir
O teu desejar
O teu eu que vibra
Que sofre
No seu intenso amar

Mario Margaride 04-08-2015


REGRESSO

Queridos amigos e leitores:

Durante algum tempo, estive ausente deste espaço poético por motivos pessoais.

Resolvi voltar agora com novos poemas, que espero que sejam do vosso agrado.

Sejam bem vindos!

BEIJOS E ABRAÇOS.






Sensações

As vezes amor…
Consegues surpreender-me
Com a tua fértil e sensual imaginação
Onde me presenteias com os teus carinhos
Me fazendo transbordar de amor e prazer
Percorrendo o meu corpo…
Com os teus beijos tórridos
E as tuas suaves mãos…
Fazendo imergir em mim…
Todos os sentidos e todas as emoções
Transportando-me para outra galáxia...

Outra dimensão.

Mário Margaride-05-08-2015