sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A GALOPE NUM CAVALO BRANCO



A galope num cavalo branco
Nunca deixei de sonhar!
Que a paz, o amor, a harmonia
Um dia iria alcançar!

A galope num cavalo branco
Percorri mundos sem lei
Voei por entre as galáxias
Em busca de amor e paz
E por fim, o encontrei!

A galope num cavalo branco
Na sua garupa aprumado!
Erguerei as mãos aos céus
Envolto num mar de véus
Por te ter amor, encontrado!

A galope num cavalo branco
Nunca perdi a esperança
Cavalguei sempre, sem parar
Para contigo amor, brindar
Juntos bailar, esta dança!

A galope num cavalo branco
Neste mundo, imundo, agreste
As trombetas tocaremos
Juntos então, entraremos
No Paraíso Celeste!

Mário Margaride

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

SEM PEDRAS NA ENGRENAGEM


Do alto da colina
Te esperei

Sabia que vinhas, sabia…

Pedras se atravessaram no nosso caminho
Impedindo-nos de seguir viagem

Há muito iniciada.


Foram areias

Pedras na engrenagem

Que eu sabia

Tinha a certeza

Que mais tarde ou mais cedo

Seriam retiradas
E aí, seguiríamos a nossa viagem

Lado a lado, buscando o nosso horizonte.


Alguns ventos sopraram de outras paragens

Tentando arrastar-me

Me levar nas suas asas

Sem rumo, ou direcção.


Por alguns instantes

Deixei-me levar

Em voo incerto

Em direcção indefinida

Todavia

Não eram esses rumos

Essas paragens
Que procurava

Voei em turbilhão ciclónico

Onde a inquietude e a indefinição
Insistiam e persistiam.


Mas a tua luz

A bússola orientadora

Do teu amor
A força da tua paixão

A vontade enorme do teu querer

Me fez de novo ver a estrada

De onde já tinha perdido o rumo

A direcção.

Então juntos

Iniciamos a nossa caminhada

A nossa viagem

Sem equívocos

Sem barreiras

Sem pedras na engrenagem.


Mário Margaride