quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

NO SILÊNCIO DO MEU QUARTO VAZIO


No silêncio do meu quarto vazio
A essência de ti…me invade

Me inebriando com o seu perfume
Com a sua magia…

Ouço o som da tua voz

O eco dos teus passos

O bater do teu coração.


No silêncio do meu quarto vazio
Sinto o calor do teu corpo…

O sabor dos teus beijos…

O toque das tuas mãos…

O teu olhar penetrante

Os teus cabelos longos

O teu sorriso inebriante.

Envolto nesta magia

Neste êxtase

Que me possui

Fazendo-me levitar…

Para um universo que desconheço

Para lá da razão

Da racionalidade

Neste torpor que me invade

Adormeço…
No silêncio do meu quarto vazio.


Mário Margaride

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

MÃE


Queridos amigos e visitantes
Nesta quadra, onde apesar da crise muitos ainda esbanjam no excesso de consumismo deixo aqui este poema, que dedico a todas as mulheres do mundo. Especialmente àquelas, que mais dificuldades passam.

Feliz Natal para todos!!!


Beijos e abraços.


Mário Margaride


MÃE


Mãe…

Que trazes no ventre o teu filho

Que lhe dás o teu amor

A tua vida…
Que lutas, que sofres

Que amas…
Que és mãe, esposa

Companheira…

Que labutas, que choras

Que ris…

Mas não tens pão
Não tens dinheiro

Mas que queres vencer

Queres amar

Queres ao teu filho tudo dar…

Mas não tens casa

Não tens pão

Tens amargura, dor…

Frustração

Mãe pobre

Pobre mulher…

Que angustia por não teres

O pão para ao teu filho dares!
Sofres a dor, de o ver sofrer.


Mário Margaride

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

GRITOS SILENCIOSOS


Junto ao rio da indiferença
Onde mergulha a desilusão

Estava deitada a quimera

Ao pé da inquietação.


Junto ao vale do infortúnio
Sentada em pose de musa

Estava a tristeza, coitada!

Sozinha, muito confusa.

Ao lado, estava o lamento

Trazendo o amor que fenece

De olhos semi-cerrados

Pousando os braços cansados

Sobre os joelhos, em prece.


Por fim, lá estava a agonia

Com a alma a sangrar
Deitada sobre um manto

Sufocada em mudo pranto

Sem vontade de chorar…

Mário Margaride

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

DEIXA-ME!


Deixa-me!
Deixa-me entrar no teu mundo

Descobrir os teus mistérios

Os teus segredos

A tua essência


Deixa-me!

Dar calor ao teu frio

Dar brilho ao teu olhar

Dar luz à tua noite


Deixa-me!

Navegar contigo nestas águas

E afogar dentro delas

As tuas mágoas

E levar-te no meu barco
Ao cais da esperança, e do amor


Deixa-me!

Ser a fonte que mata a tua sede
O lençol que seca as tuas lágrimas

Deixa-me ser o teu mar

O teu porto de abrigo
A tua foz

Deixa-me, meu amor…

Deixa-me!


Mário Margaride